Análise de Victor Vran | A Fórmula de Diablo Funciona

Certa vez encontramos um senhor que nos pediu ajuda para resolver alguns problemas: seu nome era Deckard Cain. Se você sabe quem é esse senhor e nutre afeto por ele, pare esse texto agora, adquira uma cópia de Victor Vran e vá jogar.

Lançado primeiramente em 2015 (para PCs, Linux e Mac), e depois em junho de 2017 (para Xbox One e PS4), Victor Vran é um RPG de ação com visão isométrica, estilo Diablo, com uma grande variedade de personalizações e equipamentos para seu personagem.

Desenvolvido pela Haemimont Games, mais conhecida por jogos de estratégia em tempo real (como a série Tzar) e simuladores (como a série Tropico), o game faz a produtora fugir de sua zona de conforto, entregando um produto competente no que se propõe a fazer.

No jogo você controla Victor Vran, um caçador atraído para Zagoravia pelo chamado de um antigo amigo, também caçador. Entretanto, ao chegar no local, Victor encontra a cidade completamente dominada por demônios, e sente-se na obrigação de ajudar seus habitantes. No decorrer da narrativa somos apresentados a outros personagem, descobrimos mais sobre a história do protagonista e sobre os motivos da invasão demoníaca na cidade.

A história, porém, é apenas um pano de fundo para justificar a matança desenfreada de monstros, mas cumpre bem seu papel utilizando-se de diálogos e narrativas para dar explicação ao que está acontecendo, e aos poderes e motivações de seu personagem.

O mapa é dividido entre os distritos da cidade, grandes áreas interligadas com objetivos principais e desafios a serem cumpridos, que lhe concedem diversas recompensas. Os locais são bem detalhados e cheios de segredos, muitos deles localizados em áreas elevadas - como telhados - que podem ser acessadas através de uma mecânica permite que o personagem pule de uma parede para outra. Este tipo de exploração vertical não é comum em jogos deste estilo, e traz um frescor muito bem-vindo para o gênero.

O game também traz algumas opções desbloqueáveis de modificadores para as áreas, que lhe concedem mais bônus e recompensas em troca de tornar tudo um pouco mais difícil.

Apesar de você possuir nível de personagem e ganhar melhorias ao evoluir, o jogo não possui classes, e todo o estilo de jogabilidade é definido através de armas, poderes demoníacos, cartas de destino e roupa/armadura.

As armas, que são divididas nas categorias corpo a corpo e longo alcance, possuem uma boa variedade, e seu personagem pode equipar uma primária e uma secundária. Além do golpe básico, cada uma delas possui dois ataques especiais específicos, com danos e tempo de recarga próprios.

Além das armas, Victor também pode utilizar poderes demoníacos que possuem diversos efeitos. Alguns, por exemplo, podem causar explosões atingindo vários inimigos, enquanto outros podem criar uma proteção que te deixa praticamente invulnerável por um período de tempo.

A jogabilidade é completada pelas cartas de destino, que melhoram os atributos do personagem e lhe concedem algumas habilidades passivas, como regeneração, por exemplo.

A combinação destes elementos com a sua roupa/armadura é o que define seu estilo de jogo; você pode ser um tanque ultra resistente com um martelo que oblitera inimigos a cada ataque, como pode utilizar um florete e atacar e recuar rapidamente.

Apesar de ter um belo visual e um bom detalhamento dos cenários, o game peca um pouco na variedade de inimigos, fazendo o jogador enfrentar apenas esqueletos-aranha e gárgulas durante boa parte do tempo.

Jogabilidade8.5
enredo7
Audio8
graficos8
Victor Vran é uma ótima pedida para fãs de Diablo e RPGs isométricos, garantindo algumas horas de diversão em suas matanças desenfreadas.
7.9
css.php